Os meninos na escola - parte II

     Por Ângela Sun as 7:26 PM - quinta-feira, outubro 16, 2008

Como minha amiga Fernanda tem reclamado muito, vou dar prosseguimento ao assunto as crianças e a escola. Eu já tinha pensado nisto, mas como vocês sabem, meu marido nunca deixa.... hoje ele deu uma folga no notebook, entao resolvi aparecer.....

Após a 1a. fase de adaptação, que foi a entrada e o reconhecimento da escola, vem a 2a. fase. Vou contar um pouco das dificuldades que tenho percebido nas crianças, mais precisamente no que diz respeito ao Gabriel, pois o Felipe, como tem menos responsabilidades na escola, também tem menos cobranças. Mas também reclama de não entender nada, só não liga para isso. Já o Gabriel, ele está fazendo 8 anos (25/10) e entrou no 3rd. grade, ou seja, ele tem matéria e dever, tanto em sala de aula quanto dever de casa.

Quando começamos o processo, minha maior preocupação era como as crianças se adaptariam sem falar inglês. Conversei com algumas pessoas que sempre me tranquilizavam e diziam que criança aprende muito rápido, que não seria necessário colocar em cursos ou aulas particulares. Cheguei até mesmo a ir a um cursinho e conversar com a coordenadora. Na época, ela me disse que realmente não via necessidade, pois o que ele aprenderia seria algumas palavras, e só, ou seja, não daria tempo deles aprenderem muito. Achei até legal a sinceridade dela.

O que tenho visto é que o inglês tem dificultado muito a vida do Gabriel, pois ele passa os dias em sala de aula sem entender nada. Imagine você numa aula de matemática no Japão, sendo que você só tem 7 anos e tem que entender o que o professor está explicando. Ele fica meio de saco cheio e o professor uma vez falou que ele estava dormindo em sala. Perguntei a ele e ele me explicou que não estava dormindo, estava com a cabeça encostada no braço, pois estava cansado. Lógico que conversei com ele e expliquei que aquela atitude não estava correta e que o professor merecia respeito e que ele não poderia mais fazer aquilo e que o certo era ele prestar atenção, mesmo sem entender nada.

Ele sempre fala que o professor não carimba e não corrige o dever dele e nem mesmo fala com ele. Sabemos que o professor não fala português, mas ele não faz o menor esforço para se fazer entender. O que o Gabriel faz é copiar o dever do coleguinha do lado, o que não está certo, mas ele não quer ser o único a não fazer o dever, ele não quer ficar à parte da turma. Muitas vezes ele diz que o coleguinha não deixa copiar o dever, então ele não faz nada. Chato, né.

Quando ele traz dever de casa de matemática, tentamos explicar e ensinar em inglês, mas é claro que ele não entende, então temos que falar em português mesmo para ele tentar acompanhar em sala de aula, mas é muita informação e ele não consegue gravar tudo. Tem sido assim todos os dias. Ele tem passado dias complicados que poderiam ter sido amenizados se ele falasse um pouquinho de inglês. Por mais que a gente tente ensinar o básico, ainda assim é pouco.

Outro dia teve um passeio numa velha vila, aqui mesmo em Toronto e o Gabriel não entendeu nada e não aproveitou muito do passeio. Quando perguntei, ele não sabia me dizer nada a respeito. Parece meio que viajem perdida.

Minha opinião para quem tem filho na idade do Gabriel e já foi alfabetizado no Brasil: se puderem colocar no inglês ou até mesmo uma professora particular para prever e ensinar o que eles teriam mais dificuldades aqui, seria bom. Não precisa ser uma coisa muito rígida, mas o básico para que eles possam entender o que querem deles. Acho que seria interessante. Todos me falam que em dezembro eles estarão craques. Acredito, mas até esse dia chegar, eles têm encontrado um pouco de dificuldades.

Abraços a todos.

6 Comments:

At 5:48 PM, Blogger Sandro e Família said...

Angela

Gostaria de agradecer o post sobre as crianças na escola pois esse atualmente é o nosso grande medo antes do embarque.

Continuaremos aqui torcendo e acompanhando o sucesso da família.

Abração

 
At 12:32 AM, Blogger evajuca said...

Ola Angela,
Eu vim para Vancouver com meus filhos pequenos e não passei por essa experiência de forma tão forte, pois eles iam para daycare e não para escola já com dever e tudo o mais. Posso imaginar o quão difícil está sendo para vcs essa fase, pois apesar de estarem sofrendo por ele, têm que se mostrar fortes e confiantes que com o um pequeno espaço te tempo eles estarão bem quanto ao inglês. Não afirmo que já em dezembro ele estará falando tudo, mas sim mais confiante e conseguindo entender o que o professor explica. Realmente torço para que essa fase passe logo, pois assim vcs tb poderão ficar mais tranquilos.
Abraço
Eva Juca

 
At 11:30 PM, Blogger Fer & Rê said...

Amiga... finalmente um post! Mas essa tua de esperar o Diniz liberar o computador...pede pra ele fazer uma janta pra ti e rouba o lugar dele...eheheh
Bom, em relação ao aprendizado do Gabriel imagino que esteja difícil mesmo!!
Essa do professor não ajudar é brabo! Pior é que não conseguimos nem discutir em inglês, né?
Mas acho que só o tempo poderá ajudá-lo... não adianta forçar nem brigar...paciencia...
beijos
fer

 
At 8:59 AM, Anonymous ana said...

Você já procurou a coordenação da escola, deve haver algum counselor para você marcar uma reunião.

Conversar com a escola talvez ajude a fazer uma ponte e criar uma relação mais "pessoal" entre a escola e o seu filho.

Mal, com certeza, não vai fazer...

 
At 3:26 PM, Blogger Familia 4M said...

Oi Angela...
Vi que este post vc escreveu em outubro..gostaria de saber como o seu filho está agora, já está mais adaptado?
Tenho certeza que aos poucos ele vai entender tudo e começar a falar..e quando menos vc esperar já estará adaptado
De tempo ao tempo, afinal temos que entender a cabecinha de uma crianca de 7 anos que está em um país novo, amiguinhos novos e uma cultura diferente da nossa, mas aos poucos ele vai superar tudo isso e vcs ainda irão brigar com ele para que ele fale o portugues em casa com vcs, pois só vai querer e se sentir mais a vontade com o inglês
Beijão para vcs

 
At 5:39 AM, Anonymous Kleinalfaro said...

Oi Angela,
O primeiro ano é dificil. Giovanna sofreu bastante, mais agora esta contente. Paciencia. Vivemos em Quebec à quase 2 anos.
E na area da saùde como é? Obter o cartao de seguro saúde...qto custa..e no caso de chegar gravida ai a atentao é gratis?
Obrigada.

 

Postar um comentário

<< Home