Os meninos na escola

     Por Ângela Sun as 2:56 PM - quarta-feira, setembro 24, 2008

Bem, não vou começar me desculpando pela demora em dar notícias, pois já não tenho mais desculpas.... vou escrever sempre que conseguir, ou seja, sempre que tiver tempo, inspiração, paciência e o computador estiver livre, pois isto é a coisa mais difícil por aqui.... acho que estamos precisando de outra maquininha, hehehe..

Vamos lá...

Vim falar, especialmente, sobre as crianças e a escola. Como vocês já sabem, o Felipe, que tem 4 anos (ele faz 5 anos na 2a. feira, dia 29/9), é uma figura. Chegou no primeiro dia da escola como se já fosse local, sem nenhuma inibição ou medo, foi logo entrando e se enturmando. Fiquei um pouco apreensiva, pois achei muito fácil, mas não queria valorizar, então fui embora. Depois, a professora me disse que, só por um instante, ele ficou com carinha de choro e depois passou. Acho que foi um momento de saudade ou insegurança, mas ele pode, afinal, tem sido um guerreiro. Desde então, seus dias têm sido assim, super naturais. Tão natural que um dia cheguei na escola para buscá-los e ele estava em cima do muro com mais dois coleguinhas. Quando a professora viu, foi na direção dele, mandou ele descer e disse: "Felipe, say sorry Mrs. Lockey". Como ele não entende nada, saiu correndo e não deu a mínima. Então, eu o chamei e mandei que ele dissesse "sorry" para a professora, ele voltou, olhou para ela, gritou um "sorry" muito apressado e se mandou e eu fiquei com cara de boba, olhando a professora, que sorriu.
Ele nem se importa se fala inglês ou não. Ele fala português com a professora e vai embora. No outro dia, o tênis estava desamarrado, ele correu para a ela, esticou o pé e disse: "amarra", ela obedeceu de pronto e ele saiu correndo.... esse é o Felipe...

Agora o Gabriel.... ah o Gabriel, esse sim dá trabalho.
A escola tem o programa do ESL (English as a Second Language), onde a criança passa 1:30h do dia numa sala com uma professora que ensina inglês para quem não fala a língua. Bem, ele deveria ficar somente 1:30h por dia, mas na primeira semana chorava tanto que passava o dia inteiro na sala da Mrs. Jensen, a professora equatoriana que ensina inglês. Chamaram até uma menina portuguesa para ajudá-lo, principalmente na hora do recreio, pois ela não pode sair da aula dela para ajudar o Gabriel. Pois bem, a Andrea virou o par dele no quintal. Ela é um amorzinho, tem 9 anos (quase 10), está na 5a. serie e o Gabriel na 3a. serie, e ela tem ajudado bastante.
Ele morria de medo de ir para a sala do Mr. Mancuso. Também pudera, com um nome desses, até eu ia ter medo dele. O fato é que o tal professor não fez questão nenhuma de ser simpático, amigável ou tentou se aproximar do Gabriel e isso deixou ele com mais medo ainda. Passamos a semana toda conversando com ele, tentando fazê-lo mais forte e seguro, pois na semana seguinte ele teria que ir para a sala do Mr. Mancuso de qualquer maneira.
Na 4a. feira eu falei com o diretor sobre a atitude do professor e à tarde o Gabriel me contou que o professor passou por ele e disse "oi" e ainda deu um tapinha em suas costas. Achei que tinha tido progresso, mas nada, alarme falso. Na 6a. feira, o diretor viu o Gabriel chorando na entrada da escola e chamou o professor. Ele explicou que o Mr. Mancuso era o professor mais popular e legal da escola. Foi então que o Mr. Mancuso disse ao Gabriel que só queria que ele ficasse em sala e escutasse, que não ia pedir nada a ele. O grande medo do Gabriel é o professor pedir para ele fazer um trabalho ou exercício e ele não saber fazer, porque não entende nada. A partir daí, conversamos com ele e ficou decidido que ele iria para a sala do Mr. Mancuso na 2a. feira, isso com ele aos prantos. Isso parte meu coração, pois é nítido que ele chora com dor, com medo, com desespero, como se me pedisse socorro e eu tenho que ser forte para não passar nada para ele.
Chegou a 2a. feira e eu nem fui na escola, deixei para o Diniz que é mais frio que eu. Conclusão: o Diniz abandonou o menino na escola, aos prantos, mas saiu de lá com o coração partido também. Quando foi 11hs o telefone toca e a secretária da escola diz que o Gabriel quer falar comigo. Ele mal consegue falar, eu tento acalmá-lo, mas tento ser firme. Vinte minutos depois, liga a secretária de novo me pedindo que fosse buscá-lo. Quando voltamos, à 1h da tarde, não teve jeito, ele foi para a sala do Mr. Mancuso e não me ligaram mais. Quando ele saiu da escola, estava todo sorridente e me contou que o tal monstro (Mr. Mancuso) não era tão monstro assim, que ele era engraçado, pois todos riam das palhaçadas dele, menos ele, pois não entendia nada, mas às vezes até que dava para ele rir um pouquinho. Depois de tanto stress, ele passou a semana toda indo super bem para a escola, sem chorar nem um dia. Depois dessa semana, combinamos que na semana seguinte ele iria passar a almoçar na escola, junto com os coleguinhas. Mais uma batalha a ser vencida. É claro que ele não queria, preferia que eu fosse buscá-lo para almoçar em casa, mas combinado é combinado. Fiz o lanche dele e combinamos que eu chegaria mais cedo para levar o Felipe (que entra às 13hs) para que ele pudesse falar comigo. Graças a Deus ele estava bem e sorridente e tem sido assim a semana toda.

A próxima batalha será quando nos mudarmos desta casa, pois como o Diniz disse, pretendemos que ela seja temporária, até ele arrumar um emprego e possamos nos instalar num local melhor, mais novo e com nossos próprios móveis. Aí eles terão que mudar de escola e vai começar tudo de novo, mas vou deixar para pensar nisso no momento que acontecer.

Abraços a todos

11 Comments:

At 5:22 PM, Blogger Sandro e Família said...

Angela

Gostaria de agradecer o post tão informativo que irá nos ajudar muito, pois nossos filhos tem quase a mesma idade e com certeza passaremos por essas etapas com eles também.

Temos certeza que as crianças se adaptarão bem a nova escola e a vida aos poucos entrará na sua normalidade.

Continuaremos acompanhando e torcendo pela família.

Abração

 
At 5:49 PM, Blogger Andréa said...

Puxa, Angela, que sufoco, hein?? Mas ainda bem que tudo está se encaminhando e o Gabriel já está se adaptando... Nada como o passar do tempo! Continuem nos mandando notícias, viu? Estamos morrendo de saudades de vocês!

Beijos e tudo de bom,

Andréa

 
At 7:55 AM, Blogger Carol, Ênio e Leila said...

Angela,
a minha filha (quase 4 anos) reagiu como o seu mais novo. Está se dando super bem, embora aprenda alemão devagar. rs É que entende tão bem o que as professoras pedem (mesmo sem entender uma única palavra) e se faz entender tão bem que acaba não prestando atenção. Tudo a seu tempo. Que bom que estão bem instalados e que as coisas estão correndo bem para vcs. A gente fica por aqui, torcendo muito. Acredito que, no ano que vem, iremos ao Canadá fazer o nosso landing... quer dizer, se o pessoal do consulado enviar o pedido de passaportes. rs

 
At 1:38 PM, Blogger Re e Li said...

Angela, que sufoco! A gente sofre junto com eles com certeza, mas fico feliz de saber que dia a dia o Gabriel está se adaptando. E nem pense em quando mudarem, pois logo ele estará falando inglês e a adaptação será mais rápida.
Abraços!

 
At 9:50 AM, Blogger Fer & Rê said...

E aí amiga??
que estressss, heim? Quase chorei em ler o post.. nem parece que acompanhei de perto toda a saga do Gabriel na escola.. eheheh
Mas enfim.. te falei que era um tempo e graças a Deus esse tempo tá passando e logo logo ele já vai tá soltando as primeiras palavrinhas em Inglês e tu vai te derreter...
Quanto ao teu Felipe.. ehehehh todos são iguais, não acha?
Beijos,
Fer

 
At 12:10 PM, Blogger Claudina Romao said...

Oi Angela fiquei com o coração apertado de ler seu post. pensando nas minhas filhas ai apartir de Dezembro ta chegando elas estao tão anciosas e eu tbem...por favor manda um email pra mim sobre as escolas quais documentos eles pedem,quero colocar elas no mesmo ano que elas estao terminando aqui para melhorar a segurança mas nao sei se eles ai aceitam, e qtos aos bairros ai quais vcs acharam melhor pra morar com escolas perto....Obrigada beijos estou torcendo por vcs..

 
At 3:26 PM, Blogger Dani said...

Os dilemas de mãe ...rs, na adpatação do meu filho na escolinha aqui no Brasil foi fácil o duro foi qdo ele descobriu que não seria só adaptação..rs Mas com o tempo eles se acostumam. Acho bem legal ler o começo de vcs por ai pra ter uma ideia do que vou ter pela frente. Sinto como se fosse uma terapia em grupo onde conseguimos nos ajudar com as experi^ncias das outras pessoas.
Bjs e boa sorte
Dani

 
At 9:59 PM, Blogger Fla...La...no Canadá said...

Olá!
Que bom saber que aos pouquinhos as crianças estão se adaptando!
E vocês como estão?
Estive com o Sergio este fim de semana e falamos de vocês com saudades!
Como o consulado está parado eu ando meio desanimada e quase não leio os blogs, mas sempre que possivel vou passar por aqui para saber notícias de vocês!
Bjs,
Flávia

 
At 7:58 PM, Blogger Taís Jacques said...

Angela, que bom que as coisas aos poucos começam a tomar seu rumo, não adianta antecipar problemas, uma etapa de cada vez, vai ver que depois em outras escolas, os seus filhos, já não terão os mesmos medos...

abraços,

Taís Jacques

 
At 1:30 PM, Blogger Fer & Rê said...

tá mas e aí? quando é que vai atualizar esse post?
Vamo lá!!!!!
eheheh
beijocas
Fer

 
At 11:33 PM, Blogger Rupert said...

Olá,

Gostaria de agradecer as informações do seu blog, e fiz questão de ler vários posts, desde os mais antigos e em breve ler mais sobre essa incrível jornada.
Meu nome é Thadeu e eu estou começando a correr atrás do meu sonho que é morar no Canadá. Estou para montar um blog e gostaria que você visitasse. Assim que tiver o endereço eu posto aqui.

Desde já agradeço

Abs

Thadeu Cotts

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home